A ficção de Ângela Calou - por Inocêncio de Melo Filho

quinta-feira, 28 de julho de 2011



É com o livro Eu tenho Medo de Górki e outros Contos que Ângela Calou estréia em nossa literatura, confirmando ser ela o milagre mais recente do conto Cearense. Seus textos são bem tecidos e lhe permitem usufruir do espaço pertencente a Joyce Cavalcante e a Tércia Montenegro. Nesta obra de estréia já podemos identificar dizeres acertados que norteiam o início de uma fortuna crítica manifestada nas orelhas do livro e no prefácio, tendendo ampliar-se a partir das novas leituras que hão de ser feitas pelos estudiosos e críticos literários. Justificando o que estou a dizer, Pedro Salgueiro assim se expressa: “Ângela Calou, em seu belo e pungente Eu tenhoMedo de Górki & outros contos, nos traz histórias cativantes, ternas e instigantes ao mesmo tempo. Contos bem ditos sem serem comportados. Com leveza vai tecendo suas tramas, com inventividade vai nos cativando linha a linha, parágrafo a parágrafo, conto a conto. Sabe como dizer e, principalmente, tem o que nos contar. Não nos sentimos enganados com (apenas) as pirotecnias dos falsos inventores, tão em moda nos nossos tempos. Tércia Montenegro de forma acertada nos revela: ‘Ângela sabe qual o seu papel de criadora: aceita mexer nas formas estáveis, não se satisfaz com convenções. Cada uma de suas histórias é um gesto libertador, uma espécie de ultrapassagem. A escrita não se define “pela técnica dos dicionários”: procura sua própria medida de linguagem, seus feitios de modelar o texto, figurá-lo como vida literária”.

Os contos de Ângela Calou vão aos poucos nos revelando suas leituras, seus autores, dizendo-nos que um escritor é também um exímio leitor. Reiterando que a literatura nasce da literatura, como bem sabiamente nos ensina Jorge Luis Borges. Por baixo do tecido dos seus textos, vamos percebendo outros textos, outros autores, uma espécie de palimpsesto, que nos faz reconhecer Machado de Assis, Nietzsche, Lewis Carrol, Kafka, dentre outros. O livro de Ângela Calou não se organiza em blocos de divisões temáticas, mas cada conto internaliza uma temática de cunho universal, apegando-se a um discurso indireto e a uma narrativa com predomínio de terceira pessoa. Destacando-se mais a narrativa e o discurso. Esse recurso usado pela ficcionista nos faz entender que o narrador tem muito a dizer e as personagens não dominam as tamanhas falas e saberes.

Filosofia, aforismos, prosa com tendência poética, a loucura, a metamorfose do ser e das coisas, narrativa fantástica (fantástico), inseridos numa linguagem conotativa caracterizam a prosa de Eu tenho Medo de Górki e outros contos, impedindo que o leitor saia das suas páginas sem as marcas das memórias, advindas das leituras que particularizarão em sua mente enredos diletos. O conto “met(amor)fose” nos lembra o filme “O livro de Cabeceira”, no qual Nagiko é uma espécie de papel onde seu pai e o seu marido produzem escritos diversos. O conto mencionado, além de estabelecer contatos com o filme, faz desfilar diante das nossas retinas termos que definem a ideologia de um conceito: “Ando brincando de criar e esconder conceitos nos atalhos secretos de tua pele. Ando brincando... E que isso fique desde já muito claro. Os conceitos são pedaços de pensamento muito bem conectados, são claros e cheios de intenção. (...) Eis que, melhor filósofa que amante, fui criar outro conceito. A tua pele borrada não dava espaço para escrever mais nada” (...)

A maçã se mostra no “Gênese proibida a Adão e Eva”, simbolizando pecado (desobediência) gerador de morte. No conto “A teia e a Aranha, mosca distraída fui”, a maçã se manifesta a princípio com o sentido de afetividade, aceitação aludindo ao amor. No último parágrafo da narrativa a maçã simboliza a morte e a personagem, ao contrário de Adão e Eva, resiste à tentação, e a morte, embutida no fruto, não alcança seu objetivo. A presença da maçã na ficção de Ângela Calou se estende aos contos “Joana em Dia de seu Avesso” e “Naquele Tempo e Naquele Lugar”, expressando dimensões imagéticas e pictóricas.

“Rosa, cê tá me ouvindo, sua peste?” Esta indagação pertence à voz do narrador do conto “A Fuga”, o qual registra em sua narração o falar da personagem e nos faz perceber um chamado, ou seja, um vocativo que abre caminhos para estudos lingüísticos, por conter linguagem informal e exemplo de variação de linguagem. A presença do vocativo também se faz no conto “Sobreaviso Para Alice Em Seu País”: “Alice, se tu soubesses como o teu mundo é pequeno”. O chamado que agora se faz aqui se mostra desprovido da fúria do primeiro exemplo, numa linguagem mais formal. Ainda com esse conto, no último parágrafo persiste um exemplo interrogativo de vocativo invertido: “O que podes tu alcançar, Alice, em um mundo que esticou para dentro num assalto às fronteiras que determinam o solo que é teu, se a soma de teus sentimentos é uma vaga subtração, se todo o teu pensamento é coisa que ocupa um único vão?”

O eolismo, além de ser uma propriedade da literatura universal, se destaca intensamente na literatura cearense. A prosa de Ângela Calou reitera essa realidade em vários dos seus contos, atribuindo-o uma classificação urbana, em outro contexto substantiva-o e por fim personifica-o, para que nem o vento escape de uma dimensão demasiadamente humana.

Cores explícitas e implícitas estampam os contos de Ângela Calou, sem ceder aos apelos da cromoterapia. Que segredos elas desejam nos revelar? Talvez só desejem nos dizer que precisamos “roubar as cores das coisas” e estampar a cor preta com o colorido da nossa imaginação. O primeiro parágrafo do conto “Claus Foi Embora” serve- nos para demonstrar um exemplo de cor implícita: “Era janeiro quando Claus foi embora. A gente da cidade respondeu sem surpresa ao ocorrido. Foi antes de o sol sair para chegar a tempo da partida do trem, levando quase nada nas mãos, umas flores apenas, porque era esse o seu modo discreto de mentir em silêncio que não tardaria a voltar”. A cor explícita se nota com nitidez nesse trecho do conto “Feliz Data”: (...) “O único vestígio de cor que se via era o vermelho velho de dois ou três extintores de incêndio na vertical, escalando as paredes”.

O fantástico a que nos referimos anteriormente é um gênero literário que se caracteriza por subverter o real, lidando com o sobrenatural, com o irreal. Destacando-se em José Alcides Pinto, Angela Gutiérrez, Nilto Maciel, Ana Miranda, Dimas Carvalho, Natércia Campos, dentre outros, e mais recentemente em Ângela Calou, de forma mais intensa no conto “Do Oco no Meio das Falas e Coisas”, que foi incluído em O Cravo Roxo do Diabo – O Conto Fantástico no Ceará (2011), organizado por Pedro Salgueiro, inserindo a escritora no contexto dos que se distinguem nesse gênero. A presença do fantástico no conto já citado nos mostra uma realidade irreal, a personagem busca um médico, pois seus pensamentos estão frouxos, ou seja, notórios em uma veia que se alterou em sua sobrancelha esquerda, ele não quer que vejam seus pensamentos. O médico vê o caso com naturalidade, indicando à personagem um antiinflamatório e, além disso, propõe que ele não pense, isentando o caso de um perfil absurdo, estranho.

Não consegui desvendar todos os enigmas dos bosques da ficção de Ângela Calou, não alimentei tal pretensão, apenas me encantei, que esse sentimento floresça também nos que ainda irão lê-la, que haja descobertas e redescobertas, confirmando ser Ângela Calou o milagre mais recente do conto cearense.


(Publicado originalmente no blog http://literaturasemfronteiras.blogspot.com, postagem de 27 de julho de 2011)

11 comentários:

{Elioene Sousa} disse...

Maravilhada com isso. Já quero ler.
Abraço!

Francisco José disse...

Eu tenho medo de Angela...rs

Ângela calou... disse...

=}

Pedra do Sertão disse...

Olá, Ângela, parabéns, venha lançar seu livro em Natal!. Abraço

Ângela calou... disse...

Ah que seria muito bom! Estudo em João Pessoa, pertinho de Natal. Obrigada pela visita ao 7 bonne Terre. Abraços!

Hérlon Fernandes Gomes disse...

Passando só para reiterar minha louvação à crítica ao seu livro, Ângela!
Fico muito feliz com essa realização sua, que também é nossa por poder desfrutar da leitura desse seu filho.
Parabéns, minha cara. Deus continue e te inspirar sabedoria na sua prosa envolvente!
Abraços.

P.S.: Saudades dos nossos "chás" literários na mágica atmosfera do Cariri.

Ângela calou... disse...

Muito obrigada, Herlinho. Saudades também. Lembrei dos teus convites para uma noite-do-vinil Amy Winehouse... Beijos!

Ezequiel disse...

massa,massa mesmo!!!!
fico feliz pelo lançamento do seu livro.
abraço!!!!

Denise Scaramai disse...

Querida Ângela,
quanta emoção receber sua obra em minhas mãos!
Senti sua presença, dedicação e principalmente sua inspiração! obrigada!
Meu rosto foi se iluminando com um grande sorriso, conforme lia a sua dedicatória,
me senti muito honrada e grata!

Vagas ideias e letras ao vento, pousaram no papel e se tornaram pensamentos em forma de contos, perpetuados na magia palpável de um livro. Um ótimo e primoroso livro!

um enorme abraço,
grande pensadora Calou!

Ádlei Duarte de Carvalho disse...

Olá Ângela!

Primeiramente, quero parabenizá-la pela publicação do livro, que recebeu elogios de gente que entende tudo de literatura, como é o caso do amigo Nilto Maciel.

Gostaria de saber como faço para comprá-lo.

Abraço e sucesso!

Ronnison disse...

Prazerosamente agradável ler as postagens da Angela. Letra a letra, muito bom mesmo. Continue atualizando o blog, está ótimo [;-)