domingo, 3 de novembro de 2013



Tudo não passa de mera repetição
Montanhas e pássaros
Minoutauros e astros
Demônios, labirintos
A salvação e os ornitorrincos

Tudo não passa de devir restaurado
Dos olhos da amada
Ao sol na calçada
Do terno rompante
Às mentiras do amante

Tudo é apenas pleonasmo ambulante
Os versos de meus poemas
A língua até nos fonemas
Sobre ou abaixo do sol
O mesmo a lançar seu anzol...

1 comentários:

Aluisio M Rodrigues disse...

Quando tudo não passa, passo a alma em poesia, vou com tato, mas vou fundo. Fora o mundo, salvo, a poesia...
Abs