sábado, 30 de janeiro de 2010








Não sabe Alice
que atrás do espelho
existe apenas o papelão?












[Foto de Renê: Espelhos, Salvador/BA - 31/12/2009]

6 comentários:

Rafael sem h disse...

...pois ela duvida...entre o papelão e o espelho pode haver...algo que...
...e ela insiste...porque só acredita vendo... quem sabe o país das maravilhas...e não somente alice.

Leo disse...

Este ato é vazio, não tem cheiro, cor nem qualidade alguma, não se pode ver ou sentir, nunca foi branco ou preto, nem neutro ou transparente, não tem forma e não pode ser bem ou mal, mas também não podemos encontrar a imparcialidade nele, nunca o encontrara no passado ou no futuro e o momento agora nele nunca existiu e não existe, nunca estará no alto nem no baixo, pois no céu não pode entrar porque não foi bom durante o agora, e no inferno também não, o seu mal não tinha a essência da maldade e nunca foi mal com pureza. Aqui é vazio, mas ele não esta aqui, o dito cujo. Isto não pode ser o “ser” e o “não-ser” não consegue suportá-lo, não esta alem disto, apenas não o comporta, com a simplicidade de “ser” o “não-ser” de não ter cheiro, cor, tempo, espaço e outras mais determinações, o ato é por si só vazio

Matos disse...

eita!!!!

o desmomoriado não seria mais cruel.

( eu ri )

Alice em seu país disse...

Alice boba, Leo...em sua metáfora sobre o tempo, não sabe que à noite o coelho adianta de propósito o próprio relógio...o ato da travessia, quiçá não um ato vazio, é um ato, porém, do vazio.
Má-lice, que só acredita vendo, como escreveu Rafael. Má-lice...que só acredita quebrando.

Entre o espelho e o papelão, talvez apenas o seu riso, Matos-querido.

O POETA DE MEIA-TIGELA disse...

Como sempre, mente o espelho:
Mostra-me um rosto que agora
Insiste ser o meu... Ora,
Eu a mim não me assemelho!

Hérlon Fernandes Gomes disse...

E atrás da imagem que vemos, qual a real face de nós? Aquela sem máscara, capaz de nos desvendar o mistério que somos...
Adorei.